Polystachya concreta




Polystachya concreta

Polystachya é um gênero botânico pertencente à família das orquídeas (Orchidaceae). Foi proposto por Hooker em Exotic flora 2: pl.103, em 1824, ao descrever sua espécie tipo, a Polystachya luteola, entretanto depois verificou-se que esta a um sinônimo da Polystachya concreta (Jacq.) Garay & Sweet. O nome do gênero refere-se à capacidade de algumas espécies de florescerem novamente em antigas hastes florais.
Há mais de trezentas espécies de Polystachya descritas, espalhadas por todas as regiões tropicais do planeta. São plantas muito variáveis, principalmente epífitas, mas também terrestres e rupícolas.
Descrição: A seguir tratarei apenas das espécies brasileiras.
No Brasil há cerca de dez espécies, todas pouco interessantes, geralmente desenvolvendo-se sobre árvores de casca seca em matas abertas. Seus pseudobulbos são bastante pequenos, escondidos por "baínhas" secas, de modo que quase não se percebe sua existência. Dos pseudobulbos nascem mais bainhas e longas folhas que parecem formar um caule. Do meio destas bainhas brotam resistentes hastes florais de aparência lenhosa que apresenta pequenos agrupamentos de flores mais ou menos espaçados.
As flores são esverdeadas, medem poucos milímetros e curvam-se para baixo sem ressupinar, isto é, parecem estar invertidas. Assépalas são tão largas quanto longas, a dorsal mais estreita que as laterais. As pétalas bastante estreitas e levemente mais curtas que as sépalas. O labelo normalmente é mais claro que o resto da flor e apresenta uma substância suculenta que o recobre em parte, formando uma espécie de calo. A coluna é curta e cilíndrica possuindo pé perto da base. Apresenta quatro polínias.

Espécies: A classificação das espécies de Polystachya do Brasil é bastante complecada pois, além de serem muito pequenas, todas se parecem muito. Pode-se diferenciá-las pelo calo existente no labelo e seu formato, ou aspecto vegetativo e tamanho de algumas espécies. Mesmo tendo sido reduzido muito o número de espécies descritas para o Brasil, que provam ser apenas sinônimos, taxonomistas desconfiam que ainda restam alguns sinônimos dentre as remanescentes e o número pode ser ainda menor.

O gênero Polystachya compreende cerca de 120 espécies que ocorrem predominantemente no continente africano (DRESSLER, 1993), Registrado para os seguintes países: China, Índia, Sri Lankha, Nicobar, Thailandia, Malásia, Laos, Vietnam, Borneo, Java, Lesser Sunda Islands, Moluccas, Philippines, Sulawesi, Sumatra, EUA (florida), México, Guatemala, Honduras, Panamá, Bahamas, Cuba, República Dominicana, Haiti, Ilhas Cayman, Jamaica, Leewards, Porto Rico, Trinidad & Tobago, Windwards, Guiana Francesa, Guyana, Suriname, Venezuela, Colômbia, Equador, Perú, Bolívia e Argentina. Para o Brasil são referidas 12 espécies (PABST, 1950; DUNGS 1975).
Pertencente à família Orchidaceae,  Polystachya concreta distribui-se nos neotrópicos, embora alguns autores revelem que esta espécie apresente distribuição pantropical (ACKERMAN, 1995). Ocorre em altitudes variáveis de 5 a 1650 metros. Floresce no verão e seu período de floração estende-se de janeiro a fevereiro. Suas flores esverdeadas apresentam antese diurna e cada flor dura cerca de dois a três dias (PANSARIN & AMARAL, 2006). Suas hastes variam de 4 a 30 cm de comprimento. As espécies africanas possuem os mais variados coloridos.

Espécie nativa não endêmica ao Brasil e que ocorre na Amazônia, Caatinga, Cerrado e Mata Atlântica das regiões Norte (Roraima, Amapá, Pará, Amazonas, Tocantins, Rondônia), Nordeste (Maranhão, Ceará, Pernambuco, Alagoas), Centro-Oeste (Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo e Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul). 
Em Pernambuco encontramos como epífita em árvores nativas e exóticas em Recife, Moreno, Bonito e Sirinhaém. Plantas encontradas solitárias ou em grupos familiares crescendo entre outras espécies como Epidendrum rigidum com tamanhos variáveis apresentando hastes já desde pequenas. Resistente à insolação direta, mas também crescendo em ambiente com meia luz. Xaxim e troncos, bem como casca de pinos são bem aceitos.

Todas imagens foram registradas da minha coleção particular.

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *